Tecnologia
Now Reading
Computação Vestível
0

Computação Vestível

15/04/2015

A computação vestível, ou wearable computer, é uma abordagem criada a partir da evolução da computação. Ela é um novo paradigma que redefine a interação homem-máquina, na qual o usuário veste os seus gadgets e usa-os de forma natural, como um relógio, roupas, óculos, tatuagens e etc., mas sempre respeitando as limitações de ambas as partes (homem e máquina). Ela também faz parte do segmento da Internet das Coisas, um conceito de interconectar nossos aparelhos e gadgets à internet. Steve Mann publicou um intitulado “Definition of Wearable Computer” (Definição de computação vestível), que diz:

“Um computador vestível é um computador que está alocado no espaço pessoal do usuário, controlado pelo usuário, e possui constância de operação e interação, ou seja, está sempre ligado e sempre acessível. Ele é um dispositivo que está sempre com o usuário, e permite que este digite comandos ou os execute, enquanto faz outras atividades” (Mann, 1998).

A computação vestível em simples termos, é você vestir o seu aparelho. Lembra-se daqueles relógios Cássio com calculadora? Ou dos tão famosos walkmans da década de 1980? Ou mesmo do CD player da década de 90? Todos esses aparelhos são exemplos de computação vestível.

Atualmente estes aparelhos estão se aprimorando cada vez mais e ficando cada vez mais sofisticados com o acesso à internet ou comunicando-se com outros aparelhos, por exemplo o relógio com o smartphone. As possibilidades são ilimitadas e atualmente os aparelhos mais comuns são os relógios inteligentes e pulseiras que analisam alguns sinais vitais de seu usuário, coletando informações como, frequência cardíaca e temperatura corporal. Outro exemplo é o projeto do Google Glass que permite ao usuário uma interação inovadora com o ambiente, nele é possível visualizar o seu trajeto com o gps, fazer ligações, enviar mensagens, adicionar tarefas ao calendário, incluir notificações e tudo isso exibido em uma lente especialmente desenvolvida para esse óculos que é totalmente integrado aos outros dispositivos Google Android que suportam essa tecnologia.

 É interessante como os computadores estão ficando cada vez mais próximo das pessoas e se tornando aos poucos algo muito íntimo a ponto de serem utilizados para dormir, comer ou correr e muitas vezes até fazem parte do corpo. Talvez em breve exista gadgets que estarão sob a nossa pele ou estampadas nela em forma de tatuagem. A facilidade e a conveniência que o wearable promete ao seu dono o torna muito valioso.

Essa intensa interação homem-máquina gera algum efeito colateral que ainda não é muito claro, mas sabemos que a privacidade se torna cada vez mais pública. O monitoramento serve tanto para o bem quanto para o mal e o mesmo aparelho que avisa o médico os a frequência cardíaca de um paciente em tempo real, permite que uma empresa compre estas informações e tenha conhecimento de como o seu coração se comporta e isso pode ser aplicado em diferentes contextos, por exemplo as empresas podem explorar como as pessoas reagem diante de diversos estímulos recebidos durante o dia. E isto ocorre sem que você precise interagir com o aparelho. O uso de novas inovações tecnológicas sempre trará benefícios e malefícios, por isso devem ser usadas com moderação e responsabilidade. Cabe a você escolher o que usar.

Grupo responsável: Alfeu Queiróz Júnior, Mateus Fernando Pinheiro, Rodrigo Souza, Vinícius Ribeiro e Yitzhak Stone

REFERÊNCIAS

BILTON, Nick. Novos computadores vestíveis são usados na pele. Folha de São Paulo (New York Times), São Paulo, 11 nov. 2014. Acesso em: 09 mai. 2015. Disponível em: Link

GOOGLE. Google Glass. Acesso em: 09 mai. 2015. Disponível em: Link

JP Gownder’s Blog. Wearable Computing For Enterprises Could Be Bigger Than For Consumers. 27 set. 2013. Acesso em: 09 mai. 2015. Disponível em: Link  

VOLTOLINI, Ramon. Que tal controlar seu celular com uma ‘tatuagem’ inteligente? Tec Tudo, 05 mar. 2015. Acesso em: 09 mai. 2015. Disponível em: Link

Wearcomp.org. Definition of “Weareble Computer”. 1998. Acesso em 09 mai. 2015. Disponível em: Link

FONTE DA IMAGEM

https://farm9.staticflickr.com/8794/16950018369_4c33408024_b.jpg>. Acesso em: 09 mai. 2015.